Parecer da Comissão Científica

Projeto Externo - de Instituição Governamental Brasileira

Dados do solicitante

André Garraffoni

Natureza do projeto

Projeto de docente ou pesquisador
Projeto temático

Pesquisadores ou docentes associados

Antonia Cecília Zacagnini Amaral
André Rinaldo Senna Garraffoni

Recursos

2018/10313-0
Fapesp

Descrição do projeto

Consolidação De Coleções Científicas De Invertebrados Marinhos: Estratégias Para Conservação Da Biodiversidade
07-02-2020
20-12-2021
O Museu de Zoologia do Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (ZUEC)
conta com cerca de 400 mil exemplares de invertebrados marinhos, provenientes de grandes
projetos que vêm sendo realizados no Brasil desde 1990. A grande maioria deste material, obtida
com o auxílio financeiro de entidades de fomento à pesquisa, foi coletada em diferentes regiões
do Brasil ainda não estudados. A raridade deste material também está nas profundidades
amostradas, de até 3300m, em localidades que incluem grandes cânions da região sudeste do Brasil. No entanto, parte desse material ainda não está identificada e/ou necessita de um refinamento taxonômico para que possa ser traduzido em biodiversidade e disponibilizado à comunidade científica. O primeiro desafio, que é a obtenção de espécimes desses locais de difícil acesso, já está superado diante da grande quantidade de exemplares coletados. Outro desafio que se mostra evidente, frente à demanda de identificação destas coleções, são as limitações taxonômicas que se apresentam para os grupos propostos, ou seja, a falta de caracteres morfológicos e moleculares adequados para uma correta identificação das espécies. Alguns dos problemas apontados neste projeto estão relacionados com a presença de espécies pouco conhecidas e de complexos de espécies que necessitam de uma revisão. Assim, está previsto um estudo aprofundado de novos caracteres taxonômicos, tanto morfológicos como moleculares, que possibilitem a descrição da biodiversidade e propiciem bases sólidas para estudos filogenéticos propostos neste projeto e para outros que possam vir a ser realizados. Para superar este desafio, está sendo proposta a utilização de técnicas modernas de leitura morfológica e novos protocolos de extração de DNA para material biológico fixado com formalina, realidade comum de material proveniente de coletas de mar profundo. Diante do exposto, este projeto visa produzir um estudo integrado e atender à demanda das principais coleções de invertebrados marinhos macrofaunais depositadas no ZUEC: Bivalvia, Polychaeta, Crustacea e Echinodermata, e a composição de uma nova coleção de meiofaunais: Tardigrada. A complexidade em trabalhar com várias coleções que se encontram em diferentes estágios de desenvolvimento e que possuem necessidades distintas demanda que este projeto seja estruturado de acordo com as especificidades de cada grupo taxonômico. As propostas de estudo dessas coleções serão desenvolvidas por pesquisadores especializados nos diferentes grupos de espécies, que estarão envolvidos diretamente na formação de recursos humanos para o desenvolvimento da taxonomia dos referidos grupos para o Brasil. O resultado mais abrangente será o refinamento taxonômico de cerca de 150
Coleções Científicas, Invertebrados Marinhos, Biodiversidade
Coleção de Tardigrada
Os espécimes serão identificados com base na morfologia externa e interna. Os caracteres morfológicos externos tradicionalmente utilizados para a taxonomia do grupo são as características relacionadas ao corpo; ornamentação na cutícula, papilas bucais, faringe e todas as estruturas duras ali presentes, formato e distribuição das garras, órgãos reprodutivos. Para a identificação e captura de imagens dos espécimes triados serão utilizados microscópios Zeiss com contraste de interferência diferencial (DIC).

As coletas serão realizadas nos locais tipos identificados nas descrições originais e no catálogo de tardigradas marinhos da América do Sul de Miller & Perry (2016): Ilhabela: Orzeliscus belopus Du Bois Reymond Marcus, 1952; Guarujá: Batillipes pennaki Marcus, 1946. No caso das coletas para localizar a espécie limno-terrestre, serão realizadas coletadas nos locais onde o catálogo de tardigradas não marinhos da América do Sul de Kaczmarek et al. (2015) identificou a ocorrência de Milnesium tardigradum, bem como nas publicações de De Barros (1939) e Da Rocha et al. (2017): Estados de Pernambuco, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, além de outras cidades do interior de São Paulo.

Protocolo de Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV)
Logo após a triagem dos espécimes, eles serão transferidos para meio liquido a 60°C por 1 hora e depois para álcool 70%. Após algumas horas, serão imersos em álcool 80, 90, 95 e 100% (por volta de 45 segundos a 1 minuto). Com relação a secagem, o material será submetido ao procedimento de desidratação por ponto crítico, com o equipamento Balzers CPD 30
(temperatura 37oC e pressão 70 kg/cm2), ou pelo uso da substância química Hexamethyldisilazane – HMDS (Gomes-Junior & Da Rocha, 2015). As amostras já preparadas
serão montadas em stubs de alumínio com fitas de carbono específica, metalizadas com uma camada de 10 a 20 nm de ouro, em seguida observadas e fotografadas no Miscroscópio de
Eletrônico de Varredura, marca JEOL, modelo JSM-5800 LV do Laboratório de Microscopia Eletrônica do Instituto de Biologia da Unicamp.

Análises Moleculares
O DNA genômico de cada indivíduo será extraído com auxílio do kit QIAamp DNA Micro Kit (Qiagen) para Tardigrada. Fragmentos dos genes mitocondriais (Citocromo Oxidase Subunidade I – COI), gene nuclear (18S) e gene ribossomal (28S) serão amplificados por meio da Polimerase Chain Reaction (PCR) e com o uso dos primers listados na Tabela 2. As reações de PCR serão feitas com 3 μL de DNA, 12.5 μL de Taq PCR Master Mix (Qiagen), 8.7 μL de água e 0.4 μL (4 pmol) de primers específicos. Os produtos resultantes das amplificações por PCR serão purificados com o kit específico para tal função (Illustra22 ExoProStar 1-Step - GE Healthcare) ou as bandas serão purificadas usando um kit para extração de gel da Qiagen. Por fim, as amostras serão quantificadas e preparadas para o sequenciamento pelo método de Sanger. Será dada prioridade para a realização do sequenciamento no Brasil, no Laboratório Central de Tecnologias de Alto Desempenho em Ciências da Vida (LaCTAD) da Unicamp em Campinas ou Myleus Biotecnologia em Belo Horizonte. Outras instituições poderão ser consultadas caso necessário
Coleta de material biológico: durante o ano de 2020 e primeiro semestre de 2021
Análises morfológicas: Descrição e ilustração das espécies (desenhos e fotos em DIC/MEV/MCT): durante o ano de 2020 e 2021
Análises moleculares: Obtenção das sequências de DNA: segundo semestre de 2020 e primeiro semestre de 2021

Solicitações

Laboratório com lupas e microscópios para triagem
Laboratório com lupas e microscópios para triagem
Tardigrada, Gastrotricha
Praias de Ubatuba, São Sebastião e IlhaBela
Não
Não
  • Março
  • Junho
  • Setembro
  • Dezembro
4
5